sábado, 4 de junho de 2011

Lembranças

Fazia quatro longos anos que não nos víamos, mas eu lembrava de cada momento, sobretudo do último abraço, do último beijo, da última conversa, do adeus. A vida, essa maledeta caixinha de surpresas, fez com que trilhássemos caminhos diversos. A distância encurtou o sofrimento, não que a tenha amenizado, já que a dor da perda, aquela que fica entranhada no peito, foi dura. Dura e cruel. Contudo, sobrou respeito, carinho, amizade e consideração.

Quando anunciei que chegaria à sua cidade, ofereceu-se para me buscar no aeroporto. Seria a única oportunidade de me encontrar. Conversamos amenidades, relembramos nossos encontros, exaltamos o saudosismo de forma superficial e, até, um pouco fria, eu diria, em uma contenção mútua, percebido a olhos nus.

Gentil como sempre, fez questão de carregar as malas até a porta de entrada. A despedida durou os segundos de um abraço. Um abraço que já fora meu e que eu nunca mais teria. Tentei me deter naquele instante por mais um momento, mas afastei-me antes de causar constrangimento. Era para ser a minha vida, mas esta vida não mais me pertencia. Afastei-me, esperando o elevador, com as gentilezas de praxe. É impressionante como somos educados e brincalhões quando estamos nervosos, quando não temos coragem de dar um segundo adeus.

Esse tempo não volta mais, disse ele. Se fizéssemos tudo de novo, não seria mais a mesma coisa, ele continuou, transparecendo procurar uma explicação para aquilo que eu também considero inexplicável. E ele tem toda a razão! Já não somos mais os mesmos, seguimos adiante e demos outro sentido e rumo às nossas vidas. Mas isso não significa que algumas das melhores lembranças que tenho em sua companhia, ainda hoje, me façam sorrir. Não lamentei. Meu coração ficou sereno, aliviado, exatamente como em todas as vezes em que estive ao seu lado.

2 comentários:

Anônimo disse...

linda crônica!!
quem é o autor? onde posso consegui-la?

Z. disse...

Olááááá! Fico mto feliz que gostaste. O texto é de minha autoria, como as demais crônicas deste blog. Sempre remeto à fonte quando cito algum outro autor, mas via de regra, as criações são todas felpudíssimas!!!!!! Hehehehehehe. Obrigada pelo elogio! Fez meu domingo mais feliz!!!!!