terça-feira, 17 de junho de 2008

GUILHERME DIETRICH

Gui no Atelier de Charles Watson


Já estava há um tempão para postar sobre meu amigo Guilherme Dietrich, também conhecido no meio felpudo como Walter Salles, designer e verdadeiro artista (circula pelo desenho, pintura, cinema, poesia e música com grande talento e maturidade), aos tempranos 24 anos de idade.

Seu trabalho vem sendo divulgado em exposições, revistas especializadas, revistas moderninhas (Void, Noize, Zupi, Simples...) e recentemente, o artista fechou uma parceria com a Loja Vulgo e o Caminito, ali na Padre Chagas, e desenvolveu um tênis mega hypado, além de desenhos nas dependências da loja e do restô-bar.

***Em tempo: O máximo o desenho do Dia dos Namorados que o Gui fez na vitrine da Vulgo... Passei lá essa sábado e além da loja estar um must, ainda ganhei um azulejo lindo pintado pelo nosso artista

O Gui me fez a gentileza de mandar o textinho que saiu sobre ele na revista Zupi e achei algumas partes muito interessantes... Sério, gente... IMPOSSÍVEL, não reproduzir aqui. Vejam:


Revista Zupi


Guilherme Dietrich, descarrega seus pensamentos e estampa os processos criativos como registros pessoais ao som de Bob Dylan e Tom Jobim. O jovem artista de Porto Alegre mistura vivências com pintura, música e design: “Há desenhos que eu desenho. Outros, desenham-me. Têm vezes que desenhar é fuga, outras são luta. Alguns casos é silêncio, em outros, é música.” – diz Guilherme descrevendo suas obras.

Há dois anos descobriu a profunda linguagem do desenho e criou uma relação metafórica de vida. Após participar do workshop “Procedência e Propriedade”, com o professor Charles Watson, Dietrich passou a carregar os seus prazeres e conquistas em todos os cadernos de que dispunha. Em uma espécie de diário transfigurava experiências que logo eram ocultadas por obras novas. Uma impressão do hoje e não do amanhã ou depois.


Além de canetas e canetinhas, os desenhos carregam matrizes inusitadas, como alimentos e vinho. “Desenho com o que está a mão. Se a mesa está suja, abro o caderno e limpo tudo”. Os aspectos realistas e de introspecção sentimental são perceptíveis na obra do artista que tem certa repulsa em dizer-se dono de um “estilo próprio”. Daí a simples contradição de seu trabalho: como não considerar estilo um conjunto de cores fortes que formaram uma característica única para um garoto de apenas 23 anos*.


Pode-se dizer que, sob o ponto de vista do artista, a maior preocupação da imagem não é o resultado final, mas o modo como estão sendo condicionadas suas expressões no papel. É típico de Dietrich desenhar cada momento e virar a página sem parar para olhar para trás.


*O Gui já tem 24 aninhos agora... Essa reportagem rolou ano passado!


Capa da Revista Noize - Junho de 2008



Revista Void



Revista Simples



Revista Computer Arts



Site da Juxtapoz



Revista Noize


O Gui nos deu a honra de fazer uma entrevista-relâmpago e falar um pouco de si e de sua obra. Lá vai:

PESSOAL

Nome: Guilherme Dietrich

Idade: 24

Formação: design

Profissão: artista

Referência pessoal: Bob Dylan

Referência profissional: Martin Kippenberg

Hobby: escutar Frank Sinatra

Música: jazz, folk, rock

Maior defeito: são muitos

Melhor qualidade: são poucas

Melhor livro que já leu: Cartas para um jovem poeta, do Rilke

Maior conquista: meus amigos

O que é PHYNO? Ana e suas amigas

Marca: coca-cola

Melhor cidade do mundo: NYC e a pior vc sabe hehhee

Eu sou.... uma pessoa que gosta de desenhar


ARTE

Que tipo de materiais utiliza nas tuas obras? Muitos...

O que te inspira e te leva à construção das obras? Cores

O que gostaria de produzir em termo de arte que ainda não produziu? Trabalho juntamente para descobrir isto

Tu me contaste que tua vida mudou após o evento Charles Watson. O que significou a participação no workshop e que influências isso teve na tua obra? Isso é uma longa historia...

Artista predileto: Muitos...

Obra própria predileta: Não sei, gosto de pessoas, arte eu gosto de uma forma diferente

Obra predileta de terceiros: Isso é complicado de falar

O que não é arte? Perguntar o que é arte

Tá... E agora nos conta com detalhes sobre a tela ap-407 e o que retrataste nela. Hehe é a Caroline Nabinger, ela vai ficar braba comigo, hein? Mas é um desenho... Não fiz olhando para ela.

Ap-407

***Para ver mais trabalhos do Gui, acesse aqui.

5 comentários:

asteka disse...

wow

daqui a pouco a gente volta!

J disse...

Foxes, I am speachless!!! Simplesmente adorei este post! Foi a coisa mais incrível que li sobre arte nos últimos tempos, tanto que não vejo a hora poder ver o trabalho do WS pessoalmente. Adorei as fotografias, adorei as perguntas e as respostas. Achei tudo muito HYPE e muito mais do que PHYNO, se é que isso é possível. Aliás, já deixo registrado que anseio demaissssss por um prato pintado por WS para a coleção aqui de casa! Parabéns para o artista e muito sucesso!!!!

Bjs felupudos!

PS: Z cada dia melhor!

J disse...

A melhor parte, sem dúvida, foi a obra inspirada em nossa amiga felpuda Carol Nabinger. Achei demaisssssssssss!!!! Quanta honra, hein amiga!

Anônimo disse...

Hahaha adorei o quadro...essa rapusa loura e felpudérrima sente-se muito hornada hehe
Beijosss
C.N.

Guilheme Dietrich disse...

eai pessoal, muito obrigado, gosto muito de vcs.
quem quer o tal prato vem falar comigo hehe. bjss